Participe da Mais nova onda do Skoob

Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

Me ensine a amar?

"Meu sonho não é destruir o sistema político vigente para reconstrui-lo. Não creio em mudanças de fora para dentro. Creio numa mudança pacífica de dentro para fora, uma mudança na capacidade de pensar, se enxergar, criticar, interpretar os fenômenos sociais, e em especial, na capacidade de resgatar o prazer. Meu sonho está DENTRO DO SER HUMANO".
 O vendedor de sonhos - Augusto Cury

"Senhor Deus dos desgraçados!
Dizei-me vós, Senhor Deus!
Se é loucura... se é verdade
Tanto horror perante os céus...
Ó mar! por que não apagas
Coa esponja de tuas vagas
De teu manto este borrão?...
Astros! noite! tempestades!
Rolai das imensidades!
Varrei os mares, tufão!..."
 O navio negreiro - Castro Alves



    Certamente, não comecei este artigo utilizando esses dois fragmentos somente para que fosse maior o número de caracteres no texto. Deixe-me falar de amor. Com licença, será que eu poderia amar? Se eu não puder amar por completo, gostaria de um amor pela metade, isso! Diga que pode ser pela metade? Mas e se eu não conseguir amar?  Dizem que é algo tão complicado, ouvi que o amor aparece acompanhado de um sentimento de dor. Sinto medo. Mas talvez seja esse o maior problema, o medo! Me dá agonia só em pensar que eu terei que abrir mão de muitas coisas que foram conquistadas com as minhas próprias mãos até hoje. No entanto, ainda assim, será que eu poderia amar um pouco? Um pouquinho, de leve... algo me diz que não vai me custar os olhos da cara e além disso, as pessoas que amam, parecem tão bonitas e jovens, talvez porque o amor cure todos os males. Talvez ele seja o remédio que a falha medicina busca há tanto tempo, sem encontrar. Talvez a necessidade seja a de fechar os olhos e sentir! Talvez... talvez... talvez.. Quão grande não será o prejuízo da humanidade enquanto o mundo permanecer no talvez? Muitas vidas se perderam baseadas no"talvez ganhemos mais dinheiro assim" "talvez gastemos menos dinheiro assado", e onde esteve o amor? Em vão procurávamos, tentávamos comprá-lo, muitas vezes o escondemos por detrás de um pré-conceito aqui e outro ali, abrimos mão dele em troca de prêmios e bonficações. Porém se dessa maneira continuar, nunca o encontraremos. O amor está em nós dentro do ser. Não digo amor carnal, nem familiar, mas sim, o amor ágape, quele puro e sincero, aquele amor que vai além da fisionomia, afinidades e laços de sangue. Um sentimento que não compromete, e sim, rompe as barreiras que nos prenderam durante tantos e tantos anos. O amor que nos dá asas que nos leva infinitamente pelo caminho da liberdade. 

É necessário silenciar e sentir...

Ludimila do nascimento bassan
(O olho que tudo vê) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"Posso não concordar com nenhuma das palavras que você disser, mas defenderei até a morte o direito de você dizê-las".
(Voltaire)